PAC 1 e PAC 2 não concluíram a meta de resolver o problema do saneamento básico da Rocinha. Foto: Michel Silva/Fala Roça

O projeto de lei que prevê a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) foi aprovado pelo plenário da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) nesta segunda-feira (20). Foram 41 votos a favor e 28 contrários à proposta.

Segundo o governo estadual, a venda da companhia é uma das condições do Plano de Recuperação Fiscal, firmado em janeiro com a União, que prevê a suspensão do pagamento da dívida do estado com o Governo Federal. O governo espera um alívio de R$ 62 bilhões em três anos. A votação do projeto de lei na ALERJ pegou muitos populares de surpresa.

A discussão sobre o abastecimento de água e o tratamento de esgoto nas favelas é um assunto debatido há décadas por lideranças comunitárias. Em 2016, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), iniciou um estudo para dar à iniciativa privada uma concessão para implantar sistemas de esgoto e abastecimento de água em favelas do Rio com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), através de um programa de Parceria Público-Privada (PPP).

Segundo dados do Censo Domiciliar do PAC, divulgado em 2010, cerca de 70 mil pessoas moram na Rocinha. 69,3% dos moradores são abastecidos pela Cedae. O restante da população possuem ligações internas, rede não oficial, um poço ou nascente em sua casa ou buscam água em bicas. Outro dado importante é o destino do esgoto: 10,3% do esgotamento vão para valas, fossas, rede pluvial (água da chuva) e rio, lagos e mar. No entanto, basta caminhar pela Rocinha, passar por uma vala e notar que o esgoto que sai das casas não está ligado à rede de esgotos da cidade, ou seja, o esgoto vai para a estação de tratamento de esgotos em São Conrado, e em seguida, vai para os rios, para o mar, etc.

Os moradores de favelas perceberam o quão prejudicial são as privatizações de serviços públicos, um exemplo é a distribuição de energia elétrica feita pela Light S.A.. Relatos em diferentes comunidades na Zona Sul mostram que a empresa está cobrando valores incompatíveis com a renda dos moradores.

Segundo a Cedae, as comunidades e conjuntos habitacionais destinados a moradores de baixa renda, que apresentarem documentação em atendimento ao Decreto 25.438/99, possuem direito ao benefício de uma tarifa diferenciada chamada Tarifa Social. A cobrança de Tarifa Social do serviço de água e esgoto para 30 dias é no valor total de R$28,72. Em votação no plenário da Alerj, os deputados aprovaram uma emenda que defende a manutenção da tarifa social – um dia depois da aprovação da privatização.

Privatização preocupa moradores

Para o morador da Rocinha e ativista comunitário, José Martins, de 70 anos, mesmo que haja um subsídio do Governo do Estado para as favelas, o valor não ficará em um preço acessível para a população de baixa renda. “Com a venda da Cedae, os moradores da Rocinha vão pagar água e esgoto, não sei se as pessoas terão condição de pagar. Imagino que a conta pode vir uns R$ 150,00 por cada moradia”, diz Martins.

Atentos às movimentações políticas, lideranças de associações de moradores de favelas no Rio de Janeiro se uniram e fundaram, em 2014, a União Comunitária. Uma associação intercomunitária que reúne líderes de mais de sessenta favelas no Rio de Janeiro para defender melhores políticas públicas em suas comunidades. O vice-presidente da organização, Reinaldo Reis, de 42 anos, é morador do Tabajaras, na Zona Sul do Rio. Para ele, a crise é só uma desculpa para justificar o Estado falido e envolvido em muitos casos de corrupção. Os maiores perdedores são os moradores de favelas. “A gente acredita que as favelas vão sofrer muito porque temos a experiência da privatização da Light, quando o governo estadual através do projeto das UPPs, fez com que a Light fosse seu parceiro mais forte. Hoje tem casebres na comunidade com um ventilador, uma geladeira e dois cômodos pagando de R$ 700 a R$ 800 de luz. Com a privatização da Cedae, o modelo será igual causando a gentrificação nas favelas”, explica Reis.

Ter os serviços públicos regularizados nas favelas sempre foi pauta nas lutas dos movimentos comunitários. Segundo o presidente da Associação de Moradores e Amigos do Laboriaux e Vila Cruzado, José Ricardo Duarte, de 51 anos, a partir do momento em o morador de favela se encontra tratado e equiparado a qualquer outro cidadão, ele tem consciência, direitos e obrigações para pagar os serviços com um preço justo. Porém, os serviços públicos nas favelas são deficientes. “Sempre converso com os moradores do Laboriaux e tem vezes que ficamos 4 ou 5 dias sem água. O recolhimento de esgoto não abrange toda a favela por causa das valas e por você conviver com essa situação, te desmotiva você a agir enquanto cidadão pagando seus tributos pelas necessidades básicas”, conta Ricardo.

O clima é de incerteza nas favelas. Ou melhor, uma coisa é certa: a conta poderá aumentar, pois ninguém investe milhões de reais em uma empresa ser ter lucro sobre o serviço ofertado. Apesar da tarifa social ser mantida mesmo com a privatização da Cedae, os valores podem mudar. As tarifas sociais devem ser discutidas com os moradores de comunidades porque cada favela tem sua dinâmica e diversidade.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Atenção Básica à Saúde na Rocinha sofre com descaso da Prefeitura

Agente comunitário de saúde relata a dramática situação dos ACS

O que podemos esperar da crise na saúde pública do Rio em 2020

Uma das maiores conquistas democráticas trazidas pela Constituição de 1988, aquela que…

Tribunal de Justiça do RJ proíbe Crivella de remover lojistas no Camelódromo da Rocinha

Os lojistas do Camelódromo da Rocinha conseguiram uma liminar no Tribunal de…

Britânico cria escola de inglês gratuita na Rocinha

Seja a mudança que você quer ver no mundo. Inspirado no pensamento…