É comum ver crianças e jovens dançando o passinho de funk nas favelas cariocas. A dança ganhou visibilidade e se expandiu para outros espaços nos últimos anos através de vídeos com coreografias, que bombaram no Instagram. Um desses fenômenos da internet é o grupo Oz Crias, formado por moradores da Rocinha.

Pablinho Fantástico, um dos fundadores, fez nome ao levar o passinho para diversos países com o extinto Dream Team do Passinho. Quando o grupo acabou, ele e Diogo Breguete montaram Oz Crias. “A gente pensou em fazer um grupo B, que era nossa válvula de escape para continuar na arte quando o Dream Team acabasse”, explica. 

A participação de crianças nos vídeos do Oz Crias já se tornou uma marca registrada. “Onde a gente chega as pessoas falam: ‘olha aquela galera do vídeo com as crianças’ e eu fico muito feliz com isso. Acho que nossos vídeos despertam, algo muito bom neles”, opina.

Segundo Pablinho, essa “fama” com as crianças começou após ele divulga no Instagram um vídeo com WB Negão – também integrante do grupo e Ygão do Passinho. “Quando gravamos, tinham muitas crianças no local e, daí, botamos elas para dançar atrás. Em três dias, atingimos 1 milhão e 700 visualizações. A gente ficou perplexo. Levamos essa tática das crianças para Oz Crias e pensamos: ‘se é o nosso caminho, se é aqui que a gente vai incentivar, então, é aqui que a gente tem que fazer isso’, conta. 

Apesar de nunca ter pensado em criar um projeto social, Oz Crias, compreendem a participação das crianças como uma forma de mostrar que: “Há futuro na dança para elas”. Pablinho, Breguete, WB Negão e Yuri Mister Passista têm um vasto currículo na dança e utilizam essa experiência para compor os vídeos do grupo. 

Referências do pop

O processo de criação para cada coreografia dura 30 minutos e são os próprios integrantes que dão forma às ideias e produzem os conteúdos para o Instagram. Além de contarem com suas próprias vivências e habilidades, os quatro têm como principal inspiração o rei do pop: Mike Jackson.

@wbnegao agora faz parte da equipe do ‘Os Crias’, segundo postagem no perfil do grupo. Foto: @pksigla

“Eu me inspiro no Usher e no Travis Scott. Mas, é o Michael Jackson a nossa maior referência da música e da dança”, ressalta. Oz Crias já tem mais de 20 mil seguidores no perfil do Instagram do grupo e vídeos com mais de 40 mil visualizações – audiência alta para um grupo tão novo. 

O sonho deles é se consolidar no ramo musical com o objetivo de conquistar um Grammy, levando a cultura do passinho do funk mais longe. “Hoje o nosso maior desafio é fazer uma carreira musical. Por isso, precisamos de ajuda: de patrocínios e de verba. A gente está correndo atrás disso. Mas, o nosso desafio maior é buscar o Grammy, porque a gente quer viver da arte, cantando e dançando nos palcos da vida”, confessa.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Mestre Manel da Capoeira: 40 anos de Rocinha e muita história pra contar

Migrante aos 19 anos, ele chegou ao Rio sozinho, sem dinheiro, pouco estudo e com muitos sonhos

Disputa entre TV Globo e Bibi Perigosa pode impedir que ‘A Força do Querer’ seja reprisada

A moradora da Rocinha e atriz Fabiana Escobar, cuja biografia inspirou a…

Acadêmicos da Rocinha é rebaixada para 3° divisão do carnaval carioca

A GRES Acadêmicos da Rocinha foi rebaixada para a série B, conhecida…

‘Via Sacra da Rocinha: arte e resistência na favela’, o espetáculo virou filme

O documentário nesta quinta-feira (18/07), às 19h, na Biblioteca Parque da Rocinha