O atleta João Gabriel Candido Rocha, conhecido como “Monkey”, de 24 anos, venceu a 5ª edição do Circuito Estadual de Boxe e levou para casa mais um título de Campeão Estadual Profissional de Boxe na categoria leve. Em comemoração a vitória, o jovem ganhou uma calorosa carreata na Rocinha, que partiu da localidade Largo das Flores até o Portão Vermelho, no alto do morro. 

Monkey segue invicto nas lutas que disputa, com três vitórias consecutivas e zero derrotas até o momento, permanecendo com o cinturão de campeão. O duelo contra o boxeador Gabriel Soares, o “Pretão”, foi intitulado como um “show de boxe” e marcado pelas técnicas que fizeram Monkey vencer. 

“Foi uma luta árdua para os dois atletas. 10 rounds intensos e ele (Monkey) foi testado ao máximo durante toda luta. O João Gabriel teve um bom preparo e soube colocar em prática tudo que foi treinado. Se continuar nesse ritmo, vai ser difícil alguém tirar o título dele!” disse o espectador Robson Matias. 

A luta, realizada em 20 de agosto, no Grajaú Country Club, zona norte do Rio, teve 10 rounds e entrou para a história da 5ª edição do evento, promovido pelo Conselho Nacional de Boxe (CNB) e Federação Estadual de Esporte Socioeducativo e Pugilismo do Rio de Janeiro (FPERJ). 

“Essa foi uma das lutas mais difíceis. O adversário me testou de várias maneiras nos 10 rounds. Até eu revi na internet! E, para quem viu pessoalmente foi impressionante. Estou com a sensação de dever cumprido e que fiz o que meus técnicos me orientaram a fazer”, afirmou o campeão. 

Cinco dias após a luta, no dia 25 de agosto, o projeto social esportivo UPP Fight, criado pela Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, realizou uma carreata para comemorar a vitória do boxeador. Para Monkey, a recepção da vitória é um reconhecimento resultado de muita dedicação individual e coletiva, orientado pelo professor e servidor público Walmor Silva.

Monkey posa com cinturões que ganhou em eventos. Fotos: Rodrigo Silva/Fala Roça

“Subimos a carreata fazendo muito barulho! Teve interação dos moradores, todos que viram a luta, que estavam apoiando, foi bem divertido. A semana toda foi festa para comemorar essa vitória”, conta o lutador.

A trajetória de Monkey inspira muitas pessoas na favela da Rocinha. Com 18 anos, João Gabriel começou a praticar boxe e se destacou no esporte, tendo a oportunidade de ir para a Bahia competir no Campeonato Brasileiro Amador de Boxe. Em seguida, ele foi convidado para conhecer e treinar no projeto UPP Fight, desenvolvido na Rocinha, na Quadra da Cachopa. Não demorou muito para que Monkey fosse convocado a subir de nível e ir disputar duelos no boxe profissional. 

“Sempre fui muito ligado ao esporte. Já fiz futebol também, mas quando iniciei no boxe, me identifiquei e estou até hoje. Comecei no amador, fiz algumas lutas e depois pulei para o profissional. Penso em disputar o título mundial dentro da categoria junior e o Sulamericano. Esse é o meu sonho e quero viver disso!”, confessa o boxeador.

Quem é o campeão?

O campeão João Gabriel Monkey é o terceiro filho da Dona Angélica Rocha e irmão de duas gêmeas. Cria da Rocinha, ele é o recordista da academia UPP Fight. Dentro das oito lutas que realizou, efetuou três nocautes e nunca perdeu uma luta, realizando um feito inédito no projeto em que participa.

Além de nocautear no ringue, o atleta enfrenta os desafios da vida aplicando o conhecimento do boxe em seu cotidiano, nocauteando também as barreiras financeiras e aumentando o acervo de potências da Rocinha. Essas barreiras muitas vezes estão ligadas à falta de captação de dinheiro para disputar outros campeonatos fora do estado e do país, que o atleta tanto deseja, restringindo suas oportunidades de crescimento e projeção no cenário esportivo internacional.

Para conferir a luta completa de João Gabriel Monkey e dos outros atletas, clique aqui e assista através da plataforma YouTube.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Governo vai despejar escola de surfe do Complexo Esportivo da Rocinha

Mais antigo do que o complexo esportivo, a Rocinha Surfe Escola enfrenta um problema jurídico para permanecer no local

Rocinha não tem nenhum espaço esportivo público para a prática de outros esportes

Nem só de futebol vive a favela: moradores querem praticar outros esportes dentro da favela, mas não encontram espaços adequados