O jornal impresso Fala Roça voltará às ruas da Rocinha, no segundo semestre de 2023, trazendo consigo informações relevantes e reforçando o papel da mídia impressa no combate ao deserto de informação em áreas com acesso limitado à internet. O anúncio foi feito hoje, marcando um momento significativo para a favela.

Após uma pausa na impressão desde junho de 2021, o Fala Roça retorna com uma tiragem de 5 mil exemplares, que serão distribuídos nos becos e vielas da favela. Essa iniciativa tem como objetivo fortalecer o engajamento comunitário e promover a participação cívica, permitindo que os moradores da Rocinha estejam informados sobre questões importantes que afetam sua região.

Michel Silva, diretor de jornalismo da organização, compartilhou a empolgação sobre a retomada do Fala Roça. Ele destacou que o jornal passará por mudanças significativas esse ano, como a reformulação estética, modo de leitura e na relação com os moradores. Essas mudanças visam proporcionar uma experiência enriquecedora aos leitores e manter o jornal impresso em circulação, seguindo um modelo sustentável.

A volta do Fala Roça também ressalta a importância da mídia impressa na preservação da memória e história da Rocinha. O jornal, além de fornecer informações atuais, valoriza a contextualização histórica em suas reportagens. Os exemplares do Fala Roça poderão ser lidos em diferentes épocas, permitindo que as futuras gerações tenham acesso a um legado cultural e histórico único da favela.

Moradora com exemplar do Fala Roça na parte alta da Rocinha. Foto: Erik Dias

“O jornalismo impresso não morreu; os grandes meios de comunicação não compreenderam que, por trás das folhas, existem vidas”, refletiu Michel Silva. Ele questiona por que os jornais impressos das favelas e periferias são frequentemente ignorados, apesar de sua importância como fontes de debates públicos e preservação da história das comunidades.

Além do retorno do jornal impresso, o Fala Roça também passará por uma renovação em sua versão digital. O objetivo é melhorar a usabilidade dos leitores e ampliar a publicação de novos conteúdos, utilizando diferentes formas de comunicação para atender às necessidades dos moradores da Rocinha.

Essas novidades marcam as comemorações pelos 10 anos de atuação do Fala Roça, representando um marco para a Rocinha, seus moradores e a sociedade como um todo.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Gravidez na Rocinha: mães falam sobre saúde mental e maternidade

Inspirada na sua própria experiência como mãe, Iara Batista se especializou como educadora perinatal e doula e criou o projeto Acolher Periférico para compartilhar informações para com as mulheres leigas das favelas

História da Rocinha ganha aulão gratuito na Biblioteca Parque da Rocinha

A Rocinha foi a favela mais pesquisada ao longo do século 20,…

Projeto social quer ampliar acesso ao óleo de canabidiol para pessoas autistas na Rocinha

Moradoras da Rocinha e Complexo do Alemão, mães atípicas, conscientizam e levam informação sobre o tratamento com óleo de canabidiol para favelas do Rio de Janeiro