A Associação de Comunicação Fala Roça foi um dos vencedores do edital Fomento à Cultura Carioca – FOCA. A lista foi publicada no site da Secretaria Municipal de Cultura nesta terça-feira (30/11). Os projetos aprovados foram avaliados por uma comissão composta por 60 especialistas da sociedade civil. 

O apoio financeiro permitirá a reformulação do Mapa Cultural da Rocinha em 2022. O projeto foi criado em 2016 pelo Fala Roça e o mapeamento reuniu informações sobre 100 espaços culturais e pontos notáveis da Rocinha, como centros sociais, espaços educativos e áreas de lazer.

Entre 2014 e 2016, o Rio de Janeiro sediou dois megaeventos: a Copa do Mundo (2014) e os Jogos Olímpicos (2016). Na época, autoridades do Rio de Janeiro pediram ao Google para reduzir a presença das favelas no mapa da cidade. Uma espécie de remoção virtual. O que era favela foi substituído por “morro”. Outras favelas foram completamente apagadas.

“É impossível pensar um Rio de Janeiro sem a Rocinha. É daqui que sai parte significativa da força que move essa cidade. Com o mapa vamos poder afirmar isso também em relação à cultura. A Rocinha é gigante em todos os aspectos e está em todo lugar! O mapa vai catalogar e reunir toda essa potência em um único lugar. Estamos felizes em poder construir mais uma janela da Rocinha para o mundo.”, afirma Michele Silva.

Com a pandemia de covid-19, o cenário mudou bastante. Projetos foram encerrados, centros sociais assumiram novas demandas locais e novos projetos ocupam lacunas que não eram preenchidas há anos. O novo mapeamento permitirá apresentar um panorama da produção cultural na Rocinha.

“São 6 anos de intensas transformações na cena cultural da Rocinha. A falta de editais e o agravamento da pandemia causaram grandes choques nas organizações culturais e em seus membros. Se antes nosso objetivo era botar a favela no mapa, agora o novo mapeamento do Fala Roça permitirá ver o que ainda existe, como as organizações estão sobrevivendo, onde estão os atores culturais, entre outras respostas.”, explica Michel Silva, um dos coordenadores da primeira versão do mapeamento.

Sobre o FOCA

O programa vai disponibilizar aproximadamente R$ 20 milhões a mais de 300 projetos culturais, abrangendo toda a cidade. O edital possui duas linhas de ação: diversificar as categorias do projeto e descentralizar/democratizar o acesso por territórios.

Mais da metade dos aprovados (51,54%) vêm das zonas Norte e Oeste. De 5.478 projetos inscritos, ao menos 38,5% vieram do subúrbio e de favelas. Os contemplados terão até um ano para executar e apresentar o projeto. 

“No meio da pandemia trouxemos o fomento de volta e democratizamos o acesso. É para isso que um governo deve existir”, ressalta o secretário municipal de Cultura, Marcus Faustini. “Um reflexo da paralisação do setor e da falta de auxílio em nível federal.”.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Quem é Gabflow, o rapper da Rocinha que chamou atenção de gravadoras

Todo domingo à noite dezenas de pessoas de várias favelas do Rio se encontram em uma roda cultural na Rocinha para rimar, trocar letras, versos, improvisos ou até mesmo poesias entre si.

Projeto social arrecada patins para crianças e jovens na Rocinha

Com uma experiência de 16 anos de patinação street, o morador Leony…