Nascido em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, João Vitor da Silva mudou-se para a Rocinha, em 2003, aos 7 anos de idade. Hoje, com 25 anos,vem despertando olhares de agências e marcas no mundo da moda. Inspiração para jovens da favela com diferentes características físicas, João Vitor mostra que seu talento vai muito além de tatuagens, alargador e um longo cabelo. 

O mundo da moda apareceu por acaso na vida do modelo. Em 2019, o jovem desistiu de cursar design em uma faculdade para tratar uma infecção por tuberculose. O tratamento incluiu retornar a Minas Gerais para se recuperar na casa de familiares. Recuperado, o mineiro voltou para a Rocinha em janeiro do ano passado. 

A reviravolta em sua vida aconteceu após a prima e fotógrafa Salemm fazer um registro cotidiano de João em uma laje na Rocinha. Apesar de ser muito tímido, JV como também é chamado, foi procurado pela agência Squad Brazil após ter acesso às fotografias. 

João Vitor em um ensanio na praia para uma marca. Foto: Gustavo Paixão

“Eu fiz as fotos um pouco desacreditado. Estava em uma fase complicada da vida pessoal. Logo depois do casting, a agência me ligou dizendo que uma marca de roupas tinha me selecionado para um trabalho, até estranhei, fiquei assustado mas fui”, lembra ele que estava sem renda na pandemia de covid-19. Desde então, ele já realizou trabalhos para diversas marcas, como Osklen, Natura, Rider, Hering e Redley.

Bastante ligado à família, o modelo conta que hoje sua mãe, irmã e namorada apoiam a profissão de modelo e compreendem o ritmo intenso de trabalho. Antes de entrar para o mundo da moda, João Vitor chegou a trabalhar 2 anos em uma multinacional especializada em cafeterias no Shopping Leblon. O jovem pretende retornar aos estudos de design e conciliar com a carreira de modelo.

“Hoje ainda não consigo bancar absolutamente tudo com meu trabalho, mas espero que um dia eu consiga. Me sinto muito feliz com as coisas que consegui conquistar. Sem falar nos lugares que pude conhecer e nas amizades que consigo fazer a cada trabalho. Estou conhecendo muitas pessoas e eu acho isso o máximo”, diz animado.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

O homem com deficiência física que circula pela Rocinha sentado em um skate

Ao andar pela Estrada da Gávea, uma imagem chama atenção: no meio…

Rocinha vira livro pelos olhos do jornalista Edu Carvalho

Edu Carvalho, jornalista nascido e criado na Rocinha lança amanhã seu primeiro…

Internet, fama e humor: Yago Mapoua fala sobre a carreira

Carioca, nascida e criada na Rocinha, Yago Mapoua, não planejava virar influencer…

Mães solo: histórias e batalhas de 3 mulheres da Rocinha

Mais de 8 mil crianças nasceram com pais ausentes nos últimos 10 anos