A Prefeitura do Rio, através da Rio-Urbe, autorizou nesta terça-feira (14/12), a abertura de licitação para as obras de recuperação no Mercado Popular da Rocinha com um custo estimado de R$ 1,3 milhão.

A obra prevê a substituição da lona tensionada e da telha metálica da fachada junto a Auto Estrada Lagoa Barra, implantação de balizadores na calçada, revisão de toda rede elétrica e também da rede de proteção contra incêndio e pânico.

O camelódromo da Rocinha, que possui 200 boxes instalados, foi tombado de forma definitiva em setembro de 2021, pelo prefeito Eduardo Paes. A iniciativa garante que a área seja reconhecida por seu relevante interesse social e cultural, passando a ser considerada Patrimônio Imaterial da cidade. 

“Esse modelo desenvolvido aqui, na Rocinha, é ideal, especialmente neste momento de crise, em que é preciso ter a cidade organizada, mas tem o trabalhador passando dificuldade, precisando levar o sustento para casa. Tem como compatibilizar o sofrimento das pessoas com a organização da cidade, e o mercado popular é um exemplo disso”, disse Eduardo Paes no dia do tombamento do mercado.

O modelo do mercado popular na Rocinha é inspirado no Mercado Ver-o-Peso, em Belém, no Estado do Pará. O camelódromo foi inaugurado há 16 anos, dias depois das eleições municipais de 2004. Visto de cima, o Mercado Popular da Rocinha lembra um guarda-chuva ao contrário. A lona tensionada é o mesmo material que pode ser encontrado na cúpula do Rock in Rio e no Circo Voador, na Lapa.

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Quedas de rochas do Morro Dois Irmãos ameaça Rocinha, diz Defesa Civil

Os primeiros sinais de alerta foram registrados em agosto de 2021, quando as rochas atingiram a canaleta da Rocinha.