Quem precisou ir cedo às ruas se deparou com com um batalhão de 100 agentes de sanitização equipados com macacão, máscaras, óculos e borrifadores se preparando para desinfetar becos e vielas, na manhã deste sábado (2/05), na Rocinha. 

A ação ganhou o reforço de 60 moradores voluntários e garis comunitários que se reuniram às 8h na Quadra da Rua 1 e se dividiram para guiar os profissionais pelo morro com o objetivo de atender o máximo de localidades. 

Contratada pela Cedae em ação complementar ao saneamento nas favelas do Rio de Janeiro, a empresa terceirizada desinfetou vias, espaços públicos, becos, vielas e escadarias com o auxílio de um nebulizador a frio para borrifar produto com efeito desinfetante (quaternário de amônia de quinta geração e biguanida polimérica – phmb).

“Esta técnica e princípio ativo do produto utilizados pela prestadora do serviço são os mesmos utilizados pelo governo chinês em ruas daquele país como forma de combate ao novo coronavírus. O produto age como uma película que mata os microorganismos do local (vírus, bactérias, fungos e ácaros) e forma uma camada protetora que mantém a superfície desinfetada por até 30 dias, dependendo da ação externa e circulação de pessoas”, informou a empresa estatal.

Agentes de sanitização aguardando instruções na Quadra da Rua 1, parte alta da Rocinha. Foto: Jorge Santos/Redes sociais

Na ação de hoje, todos os moradores e garis comunitários estavam equipados com máscara e utilizando álcool gel. A autônoma, Cristina Rodrigues, guiou os agentes de sanitização na Vila Cruzado, localidade onde mora no alto da Rocinha. Segundo ela, os olhares curiosos de moradores fez com que os moradores começassem a perceber a gravidade da Covid-19.

“Quando começamos a entrar nos becos, os moradores começaram a ter a certeza de que as coisas não estão boa. As pessoas começam a acreditar quando veem os agentes fazendo a sanitização. Passamos por diversos becos onde as pessoas pediam para desinfetar dentro das casas, bares, quintais”, conta Cristina Rodrigues. 

Nas últimas semanas, centenas de moradores começaram a lavar os becos e vielas por conta própria, com medo de contraírem o vírus. Segundo o Painel Rio COVID-19, o número de casos confirmados na Rocinha já chegou a 74 e 9 moradores morreram, de acordo com o boletim do dia 01/5. 55 moradores se recuperaram do vírus. Os números de casos confirmados e óbitos podem ser ainda maiores pelo risco da subnotificação de casos que está acontecendo no país.


Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça.

Fazer jornalismo na favela é um imenso desafio. Nós sempre fizemos nossas matérias abordando diversos aspectos da Rocinha. Seja no jornal impresso ou no site. Contribuindo com o Fala Roça, você estará fortalecendo o jornalismo feito na favela, independente, e com um olhar de quem nasceu e mora até hoje no morro. Pode dar essa moral? 👇

Assine nossa newsletter

Receba por e-mail informações sobre a maior favela do Brasil.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Homem de 43 anos morre com coronavírus após dar entrada na UPA da Rocinha

Um homem de 43 anos morreu com coronavírus na última quinta-feira (16),…

Rocinha lidera nº de casos de coronavírus em favelas no Rio; já são 34 infectados

34 moradores da Rocinha estão infectados com o novo coronavírus, o covid-19,…

Desempregado, padeiro produz pães e doa para moradores na Rocinha

Em média, cada saco montado pela família de Isael Jacinto tem 5 pães

Homem morre de coronavírus 17 dias após perder pai para a doença na Rocinha

Alexandre Moreira ficou internado por 2 semanas no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer