A Prefeitura do Rio deu início às obras de recuperação do Mercado Popular da Rocinha. O camelódromo fica localizado nos acessos à Rocinha, ao lado da saída da estação do Metrô de São Conrado e garante, há 17 anos, o sustento de centenas de famílias, a maioria moradoras locais.

O projeto de revitalização do espaço está a cargo da Empresa Municipal de Urbanização (Rio-Urbe) e conta com o apoio da Subprefeitura da Zona Sul. Os investimentos giram em torno de R$ 1,3 milhão. A reforma vinha sendo estudada desde 2021, conforme noticiado pelo Fala Roça.

O que será feito

A Rio-Urbe vai fazer a substituição da lona de cobertura do mercado por uma nova, de características parecidas, e a construção de obstáculo para proteção dos boxes para a Auto-Estrada Lagoa Barra. Toda a rede de instalação elétrica vai ser refeita, com revisões dos quadros elétricos e a previsão de novos relógios para as lojas instaladas pós-inauguração (aproximadamente 55 boxes). O sistema de prevenção e combate a incêndio também vai ser revisto e passará por readequação. O prazo é que as obras sejam finalizadas até o fim do ano.

Inaugurado em 2004, o Mercado Popular da Rocinha conta com cerca de 200 boxes. No espaço, vende-se de tudo, desde roupas, cosméticos, bijuterias e até produtos eletrônicos, como celulares e televisão. No local funcionam, também, biroscas e lojas de assistência técnica que prestam serviços especializados de reparo e manutenção de computadores e notebooks.

“Vamos dar uma nova cara ao Mercado Popular. Deixar mais organizado. Afinal, a Rocinha é a maior favela da América Latina, seus moradores merecem um local bonito para trabalhar e, além disso, é um local turístico também, precisava dessa reforma”, salientou o presidente da Rio-Urbe, Armando Queiroga.

Patrimônio da cidade

O modelo do mercado popular na Rocinha é inspirado no Mercado Ver-o-Peso, em Belém, no Estado do Pará. O camelódromo foi inaugurado há 16 anos, dias depois das eleições municipais de 2004. Visto de cima, o Mercado Popular da Rocinha lembra um guarda-chuva ao contrário. A lona tensionada é o mesmo material que pode ser encontrado na cúpula do Rock in Rio e no Circo Voador, na Lapa.

Em 2021, o prefeito Eduardo Paes sancionou a lei que estabelecia o tombamento do Mercado Popular da Rocinha. A iniciativa, uma reivindicação antiga dos camelódromos, garantiu que a área seja reconhecida por seu relevante interesse social e cultural, sendo considerada Patrimônio Imaterial da cidade. A medida também dá mais segurança econômica aos trabalhadores que fazem o seu sustento há décadas na entrada da favela. A assinatura ocorreu na quadra da Acadêmicos da Rocinha, diante de dezenas de trabalhadores.

Assine nossa newsletter

Receba uma curadoria das nossas reportagens.

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

Imagens revelam como ficará a Rocinha em 5 anos, segundo governo

Saneamento, mobilidade, habitação , resíduos sólidos e equipamentos são os eixos das obras

Reforma do camelódromo da Rocinha deve custar R$ 1,3 milhão

A Prefeitura do Rio, através da Rio-Urbe, autorizou nesta terça-feira (14/12), a…

Complexo Esportivo da Rocinha faz reparos na piscina após acidentes com alunos

A piscina semiolímpica do Complexo Esportivo da Rocinha recebeu reparos emergenciais após…

Saneamento da Rocinha depende da ampliação da tarifa social, avalia Águas do Rio

A previsão é de que o serviço de abastecimento de água custará R$ 20,26 para a população na Rocinha