Apoie o jornalismo de favelas. Apoie o Fala Roça; SAIBA COMO

“Minha foto no jornal, só se eu morrer ou matar”. Esse é um pensamento comum de uma população acostumada a ser retratada nos jornais com certa frequência, porém sempre nas páginas policiais. Acreditamos no poder da comunicação e como ela pode transformar a nossa percepção em relação ao lugar que vivemos.

O Fala Roça é um jornal impresso e online independente, feito por moradores da Rocinha, entregue de porta em porta, que existe desde 2012 com a missão de contribuir na transformação dessa realidade.

A favela tem muito mais para mostrar. Nossa cultura, representatividade e identidade importam. Pra quem vive na Rocinha é importante reconhecer e celebrar também o que temos de bom, pois isso está diretamente relacionado com o nosso bem estar e autoestima. Para quem vê de fora, é um mundo novo e incrível para conhecer.

O jornalismo tem um papel social muito forte e, durante muito tempo, foi produzido por e para pessoas que não compreendem a complexidade da favela. Só que o mundo mudou e as formas de produzir conteúdo também. Estamos aqui, temos cara, temos voz. Agora quem fala somos nós. Da gente, pra gente e pra quem mais quiser ouvir.

De acordo com o jornalista Michel Silva, muitas pessoas falaram que os jornais impressos iriam acabar nos últimos 10 anos. O Fala Roça mostrou que é possível fazer jornalismo impresso em meio a esse cenário. “O segredo é a representatividade do conteúdo. Nossos leitores tem rostos, vozes e são mal representados na grande mídia. Por isso, o Fala Roça é necessário para mostrar um outro ponto de vista, o olhar de quem mora na favela”, conta Michel Silva.

Uma das fundadoras do jornal, Beatriz Calado, explica que a campanha visa fortalecer o trabalho que o Fala Roça já faz há quase 7 anos. “Os desafios para o jornalismo e a comunicação comunitária não param de crescer e é fundamental que o público tenha veículos nos quais possam confiar, como no Fala Roça. Ainda mais em época de tantas fake news”, diz Beatriz Calado.

Quem somos

O Fala Roça tem uma trajetória de sucesso e, em 2015, se tornou patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro. Mais de 80% dos nossos ex-alunos das oficinas de jornalismo estão atualmente na universidade, fazendo pré-vestibular ou empreendendo.

Já tivemos apoio da Prefeitura do Rio e de organizações como a Agência de Redes Para a Juventude, Brazil Foundation e do Consulado Americano no Rio de Janeiro. Em apenas seis anos de existência, o Fala Roça é uma das grandes referências em comunicação comunitária na cidade.

Atualmente não contamos com nenhuma fonte de financiamento. Nossa equipe é 100% voluntária. Acreditamos que a figura do comunicador comunitário é imprescindível e queremos dar continuidade às nossas ações.

Temos um grande sonho que é viver da comunicação e estamos cada vez mais perto de realizá-lo. Enfim, poderemos considerar nossa atividade como profissão, não mais como hobby.

Se o comunicador comunitário não tira desse trabalho a condição mínima para sobreviver, ele acaba se empregando numa profissão qualquer e abrindo mão desse papel tão importante na sociedade. Aí o caminho fica livre para a continuidade de um jornalismo distorcido e pouco representativo que vem historicamente sendo feito sobre nós, favelados.

Apoie o Fala Roça e nos ajude a continuar existindo.

Deputado sugere ao governo a construção de colégio da Polícia Militar na Rocinha

Três colégios militares da PMERJ foram construídos no Rio em 12 anos

Startup oferece curso completo de programação

A Resília está selecionando jovens para ingressar no promissor mercado da tecnologia

Novos deslizamentos podem acontecer em 2020 se não houver obras na Rocinha, afirma defensora pública

Declaração foi dada durante audiência pública da CPI das Enchentes

Comunidade Cidade: tudo o que sabemos sobre a reforma bilionária na Rocinha

Um misto de expectativas, tensão e dúvidas marcaram a reunião de apresentação…

Caixas eletrônicos começam a operar em outubro no metrô de São Conrado

Moradores da Rocinha ganharam mais uma opção para sacar dinheiro. O Metrô…